Minha lista de blogs

domingo, 13 de abril de 2014

ATRAÇÃO SEXUAL E SELEÇÃO NATURAL HUMANA


ATRAÇÃO SEXUAL E SELEÇÃO NATURAL HUMANA 
Por Nicéas Romeo Zanchett 
                    O sexo sempre dominou a cabeça das pessoas. É responsável pela nossa evolução de forma mais rápida que outros animais. A beleza física da mulher, sua coragem para recusar parceiros fracos, debilitados ou doentes, garantiu descendentes saudáveis e inteligentes que permitiram a aceleração evolutiva da espécie. A força física do homem da caverna era um atributo indispensável. Era grande caçador e defensor da família e por isso o preferido das mulheres.  Eles garantiam alimento e sua sobrevivência. A principal meta era engravidar o maior número possível de parceiras belas e saudáveis que pudessem aumentar a espécie humana. 

                     Milhões de anos se passaram, os tempos são outros, mas o comportamento sexual humano traz em suas raízes os mesmos mecanismos psicológicos ancestrais. A herança evolutiva explica porque  sexo, dinheiro e poder continuam intimamente ligados. Mesmo após a conquista de direitos e liberdade sexual das mulheres, seus sonhos ainda se norteiam significativamente pelas velhas táticas. 
                    Muitas mulheres ainda preferem os homens fortes, altos e bonitões, mas estes atributos são facilmente substituídos por uma bela conta bancária que, para muitas, é prova de inteligência, sucesso e poder.  Oque se pode observar é que para elas o macho preferido é aquele que sabe usar a inteligência para ganhar dinheiro e galgar status na sociedade consumista em que vivemos. Mas a escolha de machos que preencham estes requisitos cria dificuldades para as mulheres; é que no mundo moderno a escassez de machos dentro dos quesitos ideais tornou a competitividade feminina uma árdua tarefa. Muitas mulheres tendem a ver suas amigas como inimigas concorrentes. 

                    A mulher moderna já não depende de um defensor e provedor da prole e tende a se preocupar, principalmente, com seu status e bem estar pessoal. Estas querem ter um filho, mais para a auto-realização de "ser mãe", que é um dos itens herdados dos ancestrais, do que para evolução das espécie.  Além disso muitas até ganham mais que os próprios maridos e só dependem dele para conseguir o sêmen que elas próprias escolhem. Já vemos mulheres selecionando as características como, altura, cor dos olhos, da pele, dos cabelos e naturalmente da inteligência que querem para seu filho. Isto pode parecer um absurdo, mas não é. Trata-se de uma nova forma para a evolução da espécie humana que somente as mulheres são capazes de garantir. A fertilização in vitro já é a forma escolhida por muitas. Mas, às vezes, é um tiro no escuro, pois existe muita falta de ética nesse meio e isto pode levar a erros irreparáveis. O ideal é que a mulher moderna conheça pessoalmente o futuro pai de seu filho; pode ser um amigo íntimo, um colega de trabalho, alguém que também deseja ser pai, mas não quer arcar com os compromissos de um casamento tradicional e aí por diante. Coisas do mundo moderno.

                     Olhando para essa nova forma de evolução da espécie humana, nas classes mais elevadas, podemos concluir que trará benefícios. Com elas está o poder de mudar completamente a situação planetária de superpopulação e fome.  Mas quando olhamos para as classes ditas "inferiores" é um desastre. Muitas mulheres chegam a ter diversos e até dezenas de filhos e nem sabem quem é o pai de cada um. Aí está o problema central da superpopulação mundial. E o pior é que esta classe cresce de forma assustadora e sem que essas mulheres saibam controlar o número, o caráter e a qualidade dos filhos que estão gerando, geralmente indesejáveis e com problemas psicológicos. A desproporção é geometricamente apavorante.

 Os governos e religiões, em vez de orientar a formação familiar ordenada, só pensam nos ganhos políticos e financeiros que poderão ter com essa leva de pessoas que formarão um mundo de analfabetos e famintos. Não se trata de controlar a natalidade, mas de orientar, dar educação sexual de qualidade, sem usar metáforas e palavras enganosas. Aqui cabe lembrar que a mulher é mais vulnerável à conquista quando está em período fértil. Também os homens, mesmo sem saber, se sentem mais atraídos pelas mulheres nesses períodos. Daí a quantidade de gravidez indesejáveis que muitas vezes acabam em aborto. Educar é o único caminho. 


                    As mulheres solteiras e descompromissadas, gostam muito de falar sobre a anatomia íntima de seus parceiros. Essa troca de informação, muitas vezes propositalmente enganosa, é uma forma inconsciente de informar às outras quais os parceiros que valem a pena e quais devem ser evitados. Já as casadas não costumam elogiar os maridos para não instigar a concorrência. 
                    É muito natural que a força do passado primitivo ainda se imponha, pois a trajetória evolutiva da nossa espécie viveu muito tempo na era ancestral, dominados pelo instinto, e pouquíssimo tempo, talvez 1%, na era moderna do racionalismo. 
                     A estratégia feminina de impor resistência, fingida ou não, continua sendo transmitida de mãe para filha. Fazer-se de difícil para fisgar um bom partido é a ordem que continua prevalecendo. Muitas se entregam por uma simples "cesta básica", mas as mais cobiçadas requerem jantares especiais, flores, jóias, etc. 

                      O homem bem sucedido, poderoso, endinheirado gosta de ser visto rodeado por jovens bonitas e saudáveis. Mas não se enganem, é apenas um palco de encenação para despertar a inveja dos amigos; gosta de mostrar que é garanhão incorrigível, mas está está ali apenas como ator de uma cena das "mil e uma noites".   Da mesma forma, as mulheres gostam de estarem bonitas para serem vistas e invejadas pelas amigas; os homens são um componente à parte. Em ambos os casos não há porque censurar, é apenas mais uma forma da evolução da espécie. 

Nicéas Romeo Zanchett 
LEIA TAMBÉM >> SUPERPOPULAÇÃO MUNDIAL


Um comentário:

  1. Parabéns por seu manuscrito, assunto muito importante.
    Cordialmente.: Djair P. Brito.

    ResponderExcluir